9 de abr de 2011

Madrid - CRÔNICA

Há várias formas de se chegar a Madrid. De avião, de trem, de carro, a pé. Tá rindo do que? Muita gente prefere viajar caminhando. São os andarilhos. Eu particularmente não conheço nenhum. Eu prefiro viajar de carro. Dá mais mobilidade. Se o lugar que visitamos não está bom, é fácil zarpar para um outro sítio.
 

Se viajar a pé não é a melhor forma de se chegar a Madrid, essa é, certamente, a melhor maneira de se conhecer a cidade, rica de sites históricos, de museus, de bares, restaurantes etc. 

A cidade é frenética. Parece nunca dormir. A qualquer hora do dia ou da noite há gente passeando por suas calles. Casais, famílias, crianças. É incrível. Seus bares, com seus famosos tapas, estão sempre cheios. Em muitos deles come-se em pé e se discute bastante. Grupos, famílias, uma festa.

Um dos meus prazeres favoritos é caminhar pelo museu vivo que são as ruas de Madrid com sua gente, as senhorinhas elegantes com seus trajes de missa, os artistas de rua, os pedintes, as prostitutas etc. Quanto às compras, sempre me lembro de esquecer a carteira em casa.

Para se hospedar em Madrid há muitas possibilidades. A que prefiro e indico é alugar um apartamento no centro da cidade. A principal vantagem é o preço. Pelo preço de uma semana num hotel pode-se ficar até três num apartamento. Isso, sem contar as facilidades de se ter uma cozinha e poder preparar parte das refeições em casa.
Há alguns sites de locação de imóveis. O que eu utilizo é o

http://www.rentalia.com.

Há um número enorme de ofertas, com descrição e fotos dos apartamentos.



DICAS DO QUE FAZER EM MADRID

Os principais guias de turismo trazem as opções em termos de turismo em Madrid. Museo Nacional Del Prado, Puerta Del Sol, Praza Mayor, Parque de El Retiro etc. Eu deixo 5 dicas:


Guía del Ocio (publicação semanal)
Comprar em qualquer banca de jornal. Ele traz a programação cultural da cidade.

Mercado San Miguel, na praça de mesmo nome, pertinho da Plaza Mayor.



A arquitetura do prédio já é um regalo. A atmosfera interna do mercado é mágica, com suas tiendas, suas especiarias, seus frutos do mar e a possibilidade de se comer alguns tapas e cozitas más, cercado de muita gente. A confusão é geral. Eu mesmo, no entusiasmo, tomei a taça de vinho do meu vizinho de balcão. Quando nos demos conta, rimos muito e começamos una buena charla.


Museo Del Jamon
Há várias lojas espalhadas pela cidade. O presunto, o presunto... Um problema. Muitos comem no balcão. Eu pedi pra viagem. É um delírio acompanhar o atendente pegar a peça escolhida que está dependurada, colocá-la sobre o aparador e ir tirando fatias com sua faca especial... Que água na boca.

La Capilla de la Bolsa - C/De La Bolsa, 12




Jantar ao som de operetas, ao sabor da cozinha espanhola, num ambiente ambíguo que já foi Igreja associada à ordem dos templários, discoteca e não se sabe mais o que. Se for pela comida, o preço é salgado, mas a ópera é de graça. Se for pela ópera, o concerto é caro, mas a comida é free.

Descobrir a cidade por si só

Não será um desafio muito grande, já que a cidade tem muito a oferecer. Mas será um privilégio poder encontrar novos endereços que certamente não serão só seus.

Walter Tamiozzo
Madrid, 2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário