10 de abr de 2011

CAMINANDO POR LAS CALLES - Crônica

Caminhava pelas ruas de Madrid. Assim, meio sem rumo, só para me distrair.
Entonces, encontro uma velha conhecida. Ela vem em minha direção e me dá um sorriso.
- Nossa, há quanto tempo!
- É verdade.
- O que você faz em Madrid?
- Estou passeando. E você?
- Lo mismo.

Ela me abraça e diz no meio da rua:


- Você parece que não envelhece... Bla, bla, bla... (vocês sabem como são esses papos).
Então ela diz:
- Você não imagina a coincidência! Ontem sonhei com você.
- Então foi um pesadelo, respondo.
Ela:
- Não foi. Sonhei que você estava na minha cama.
Eu:
- O que?
Ela:
- Não! Não! Fique tranqüilo! Não foi nada erótico. Éramos apenas bons amigos.
Eu:
- Sei!
Ela:
- Então sua mulher entra no quarto com uma bandeja de café.
Eu:
- O que? E o que ela disse? O que você falou?
- Não sei. Nessa hora eu acordei, ela respondeu.
Essa história não rendeu um divórcio, pois nessa hora eu também acordei.

Foi só um sonho minha gente.


Walter Tamiozzo
Madrid, 2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário